PortuguêsEnglish
 
Medicamentos sujeitos a Receita Médica | De Aplicação Tópica | Lidonostrum 2% Gel bucal
1. Denominação do medicamento
Lidonostrum 20 mg/ml Gel bucal.

2. Composição qualitativa e quantitativa
1 ml de LidoNostrum contém 20 mg de cloridrato de lidocaína.
Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. Forma farmacêutica
Gel bucal.





4. Informações clínicas
4.1 Indicações terapêuticas
Lidonostrum é indicada para anestesia local de:
- Membranas mucosas irritadas ou inflamadas da boca e faringe, por exemplo lesões após tonsilectomia.
- Introdução de instrumentos e cateteres nos tractos respiratório e digestivo como, por exemplo, broncoscopia, esofagoscopia.
- Doenças dolorosas do tracto gastrintestinal como, por exemplo, esofagite.

4.2 Posologia e modo de administração
Lidonostrum produz anestesia tópica no tracto digestivo superior. Confere também prontamente um alívio sintomático da dor quando aplicada nas membranas mucosas da boca e faringe.

Tal como com outros anestésicos locais a segurança e eficácia da lidocaína dependem de uma dosagem própria, da utilização de uma técnica correcta e das precauções adequadas para a resolução de emergências.

As seguintes doses recomendadas deverão ser tidas como orientação.
A experiência clínica e o conhecimento do estado físico do paciente são importantes para calcular a dose necessária.

Adultos:
Para tratamento da dor a partir de mucosas irritadas ou inflamadas da boca e traqueia recomendam-se 5-10 ml de Lidonostrum (100-200 mg de lidocaína). A solução deve ser espalhada em redor da boca e deglutida lentamente. Não deverão ser ultrapassadas as 6 doses em 24 horas.
Para anestesia tópica antes da introdução de instrumentos e cateteres nos tractos respiratório superior ou digestivo recomendam-se 10-15 ml de Lidonostrum (200-300 mg de lidocaína).
Para uso na faringe deverão fazer-se gargarejos e pode ser deglutida. Quando combinada com outros produtos contendo lidocaína (por exemplo para broncoscopia) a dose total de lidocaína não deverá exceder os 400 mg. Para doenças do tracto gastrintestinal superior 5-15 ml de Lidonostrum (100-300 mg de lidocaína) deverão ser deglutidos de um só golo. Não devem ser ultrapassadas as 6 doses no intervalo de 24 horas.

Crianças:
Em crianças com menos de 12 anos, para tratamento de mucosas irritadas ou inflamadas da boca ou traqueia, a dose não deve exceder os 4 mg/kg. Recomenda-se retirar o excesso de solução.
Em crianças com menos de 3 anos a dose deve ser rigorosamente medida e aplicada na área afectada com um instrumento adequado. Recomenda-se o mesmo procedimento para crianças mais velhas que tenham problemas em expectorar. Não deverão ser ultrapassadas as 4 doses em 12-24 horas.

4.3 Contra-indicações
Hipersensibilidade conhecida à substância activa (anestésicos locais do tipo amida) ou a qualquer um dos excipientes como o para-hidroximetilbenzoato.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização
Doses excessivas ou pequenos intervalos entre as doses podem originar níveis plasmáticos elevados e efeitos adversos sérios. Os pacientes deverão seguir escrupulosamente a dose recomendada. Isto é especialmente importante nas crianças em que a dose varia com o peso.

A absorção a partir de superfícies feridas e mucosas é relativamente elevada. A lidocaína na forma de solução viscosa deve ser usada com precaução em doentes com mucosas traumatizadas e/ou infecções na região proposta para aplicação.

Deve-se evitar a ingestão de alimentos enquanto se mantiver o efeito anestésico do Lidonostrum.

Requerem especial atenção:
- Pacientes com bloqueio cardíaco parcial ou total.
- Pacientes idosos e em condições de saúde precárias.
- Pacientes com doença hepática avançada ou disfunção renal severa.

Este medicamento contém parabenos. Pode causar reacções alérgicas (possivelmente retardadas).

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interacção
A lidocaína deve ser usada com precaução em pacientes que recebam substâncias estruturalmente relacionadas com os anestésicos locais, como por exemplo a tocainida, visto os efeitos tóxicos serem aditivos.

4.6 Gravidez e aleitamento
Não foram, até agora, registados distúrbios específicos no processo reprodutivo, como por exemplo aumento da incidência de malformações.

Tal como outros anestésicos locais a lidocaína pode atingir o leite materno mas em quantidades tão pequenas que, geralmente, não há risco de afectar o lactente.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas
Dependendo da dose, os anestésicos locais têm um efeito muito ligeiro na função mental, podendo, no entanto, alterar temporariamente a locomoção e a coordenação.

4.8 Efeitos indesejáveis
Reacções alérgicas: as reacções alérgicas (nos casos mais severos choque anafiláctico) aos anestésicos locais do tipo amida são raras. Outros constituintes da solução como por exemplo o metil e propil para-hidroxibenzoatos podem também causar este tipo de reacção.
Toxicidade sistémica aguda: a lidocaína pode causar efeitos tóxicos agudos se ocorrerem elevados níveis sistémicos devido à rápida absorção ou sobredosagem.

4.9 Sobredosagem
As reacções tóxicas originam-se no sistema nervoso central e no sistema cardiovascular.

A toxicidade do sistema nervoso central tem uma resposta gradual com sintomas e sinais de severidade crescente. Os primeiros sintomas são parestesia circumoral, adormecimento da língua, entorpecimento, hiperacusia e acufenos. Distúrbios visuais e tremores musculares são sintomas mais sérios e precedem o desencadear de convulsões generalizadas. Podem seguir-se inconsciência e convulsões com a duração de entre poucos segundos a alguns minutos. Hipóxia e hipercapnia ocorrem rapidamente a seguir às convulsões devido a um aumento da actividade muscular, juntamente com interferência na respiração normal. Em casos severos pode ocorrer apneia. A acidose aumenta os efeitos tóxicos dos anestésicos locais. A recuperação é devida à redistribuição e ao metabolismo dos anestésicos locais a partir do sistema nervoso central. A recuperação pode ser rápida não obstante serem administradas grandes quantidades de fármaco.

Os efeitos cardiovasculares são apenas observados em casos em que se atingem elevadas concentrações sistémicas. Hipotensão severa, bradicardia, arritmia e colapso cardiovascular podem resultar nesses casos.

Os efeitos tóxicos cardiovasculares são geralmente precedidos por sinais de toxicidade ao nível do sistema nervoso central, a menos que o paciente receba anestésicos gerais ou tenha recebido sedativos como benzodiazepinas ou barbituratos.

Deverão estar disponíveis os fármacos e equipamento necessários para o tratamento da toxicidade aguda. Os objectivos do tratamento são manter a oxigenação, parar as convulsões e suportar a circulação. Deverá ser administrado oxigénio e, se necessário, ventilação assistida. Se as convulsões não pararem espontaneamente em 15-20 segundos poderá ser administrado um anticonvulsivante i.v., como por exemplo a tiopentona ou o diazepam.

Se for evidente depressão cardiovascular (hipotensão, bradicardia), poderá ser administrada efedrina. Se ocorrer paragem circulatória deverá de imediato ser iniciada a reanimação cardiopulmunar. A oxigenação, ventilação e suporte circulatório, assim como o tratamento da acidose são de vital importância visto que a hipoxia e acidose aumentam a toxicidade sistémica dos anestésicos locais.

5. Propriedades farmacológicas
5.1 Propriedades farmacodinâmicas
Grupo farmacoterapêutico: 6.1.1 De aplicação tópica.
Código ATC: N01BB02 Lidocaína

O Lidonostrum produz uma anestesia superficial na parte superior do tubo digestivo. Também produz alívio sintomático da dor quando aplicada às mucosas da boca e faringe. A sua baixa tensão superficial assegura a formação de uma película sobre a superfície da mucosa, permitindo o contacto íntimo deste medicamento com toda a superfície. A elevada viscosidade assegura um contacto suficientemente prolongado com a mucosa.

5.2 Propriedades farmacocinéticas
A substância activa de Lidonostrum, cloridrato de lidocaína, estabiliza a membrana neuronal e previne a geração e propagação dos impulsos nervosos tornando efectiva a acção anestésica local. A lidocaína é absorvida após aplicação na mucosa, sendo a absorção mais rápida quando a aplicação é intratraqueal.

A metabolização da lidocaína ocorre no fígado sendo os metabolitos e o fármaco não metabolizado excretados pelos rins.

5.3 Dados de segurança pré-clínica
Não aplicável.

6. Informações farmacêuticas
6.1 Lista de excipientes
Carboximetilcelulose sódica, para-hidroximetilbenzoato, para-hidroxipropilbenzoato, sacarina sódica, essência de cereja, água purificada.

6.2 Incompatibilidades
Não aplicável.

6.3 Prazo de validade
5 anos.

6.4 Precauções especiais de conservação
Não conservar acima de 25ºC.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente
Lidonostrum apresenta-se em frascos de polietileno de 125 ml com tampa de rosca em polipropileno.

6.6 Precauções especiais de eliminação
Não existe requisitos especiais.

7. Titular da autorização de introdução no mercado
Sidefarma - sociedade industrial de expansão farmacêutica, s.a.
Rua da guiné, n.º 26
2689-514 prior velho
Portugal

8. Número de autorização de introdução no mercado
Frasco de 125 ml: 9776203

9. Data da primeira autorização/renovação da autorização de Introdução no Mercado
Data da primeira autorização de introdução no mercado: 05-02-1991
Data da renovação da autorização de introdução no mercado: 05-02-2006

10. Data da revisão do texto
05/2006

< Voltar